Arquivo da tag: desafio intermodal

Será que sou eu o louco?

Pedalante

Foto: Pedalante

 

Para todos meus amigos que me acham louco por eu utilizar a bicicleta como meio de transporte principal e de ir pra todo lugar (São Paulo, ABC inteiro, viagens, saindo de São Bernardo) com minha bike, segue abaixo uma matéria em vídeo realizada pela ESPN Brasil sobre o desafio intermodal, realizado em São Paulo, na sexta-, 19 de setembro.

http://espnbrasil1.terra.com.br/planetaexpn/player.aspx?id_programa=444&id_video=1723&vercolunista=2

(copie o link e veja no seu navegador)

O desafio intermodal é uma brincadeira que consiste em comparar o tempo que as pessoas levam para sair do mesmo lugar e chegar ao mesmo destino durante a hora do rush, utilizando todo tipo de veículos.

Nesse ano, o percurso foi saindo às 18hs da Praça Gal Gentil Falcão, na Berrini, com chegada no prédio da Prefeitura, no Anhangabaú.

Segue abaixo a tabela de classificação do desafio:

 

 

 

Modal Tempo – 2008 Tempo – 2007 Tempo – 2006
1º. Bicicleta por ruas tranquilas – Homem 36 min 43 min
2º. Bicicleta por vias rápidas – Homem 42 min 37 min
3º. Bicicleta por vias rápidas – Mulher 42 min 52 min
4º. Bicicleta por ruas tranquilas – Mulher 49 min 48 min
5º. Bicicleta dobrável + ônibus 59 min 55 min
6º. Motocicleta 1h04 min 44 min 44 min
7º. Trem + Metrô 1h41 min 1h21 min 1h23 min
8º. Ônibus 1h51 min 1h16 min 1h06 min
9º. Carro 1h51 min 48 min 1h16 min
10º. A pé 2h13 min 1h49 min
11º. Bicicleta dobrável + Metrô 2h21 min 53 min
12º. Ônibus + Metrô 2h40 min 1h50 min 1h39 min


Conclusões:

  • Os cinco primeiros lugares utilizam a bicicleta. Chegaram na frente até da motocicleta.
     
  • Os quatro primeiros colocados são modalidades gratuitas (você não paga para ter de usar a bicicleta), além de não poluir o meio ambiente.  

  • De 12 modalidades possíveis, o carro chegou em 9º lugar, mais rápido apenas do que caminhando a pé e transportes com cambiação de veículos.  

  • A pessoa caminhando levou apenas 22 minutos a mais que o carro para chegar à mesma distância de cerca de 10km. Isso prova que, em uma cidade com um trânsito caótico, de que não adianta veículo motorizado de alta velocidade se ele não sai do lugar.

Será realmente loucura utilizar um veículo muito barato e que não precisa combustível, não paga IPVA, estacionamento e não recebe multa para ir ao trabalho, à escola, ao mercado, visitar amigos ou apenas se divertir, um veículo que não polui e nem agride o meio ambiente, que não coloca em risco a vida de pessoas (motoristas, pedestres e outros ciclistas)?

Em países do primeiro mundo, a bicicleta é o veículo de escolha da maioria da população, independente de classe social ou localidade. Uma pessoa em cima de uma pessoa não é uma pessoa rica ou pobre, não é chique ou careta, é apenas… uma pessoa.

Na bicicleta, somos todos iguais, e não somos rostos sem expressões escondidos por um vidro fumê. Nós fazemos parte da paisagem, somos as pessoas que vivem na cidade. Interagimos com outras pessoas e não estamos nos sentimos ameaçados por qualquer pessoa que passe do lado de nosso veículo. Pelo contrário, adoramos dar bom dia e conversar com o próximo. Isso nos faz sentirmos mais alegres, termos um melhor dia e ajudar a outra pessoa a também ter um. Ao contrário de quem fica preso por horas no trânsito dentro da bolha que é o carro, estressado, gritando, buzinando e xingando todos que apareçam em sua frente, enquanto respira um ar mais poluído do que o ar externo.

Pense nisso, quando você estiver preso no engarramento e quando vir um ciclista feliz, passando por você. Pense sobre quem é, na verdade, o louco.

(Em tempo – Vários governos de estados e prefeituras estão incentivando e investindo pesado no uso da bicicleta. Em SP, por exemplo, várias ciclovias e ciclofaixas exclusivas estão sendo preparadas e inauguradas, bicicletários e o metrô agora vai disponibilizar bicicletas para qualquer pessoa gratuitamente por um período de tempo curto e pago se extender, além de liberar a entrada com bike no metrô durante os dias de semana à noite e finais de semana durante o dia todo. Usar bicicleta na cidade é viável – a única coisa que precisa para o ciclista ter segurança é respeito de quem usa um veículo motorizado de 1 tonelada. Experimente você também, deixar o carro pra usar a bicicletada só vai te fazer bem.)

PS: A Marta falou hoje que é loucura incentivar a bicicleta em São Paulo sem a cidade ter “condições” para a bicicleta. Ué, o que ela fez, enquanto prefeita, para dar condições ao uso da bike? E outra, a única “condição” que se precisa pra usar a bicicleta com segurança é o respeito do motorista. O resto existe só para contornar esse problema, a falta de educação no trânsito.